Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Ajuda, Doutores!

18 de fevereiro de 2014
Tempo de leitura: 2 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 11
Compartilhar 0
– Doutores, gostaria de começar um projeto parecido com o de vocês aqui na minha cidade! Como fazer?

Ah, essa é uma das perguntas que mais ouvimos! Como cada cidade tem suas características e cada grupo elege os seus significados para a atuação, não existe uma fórmula mágica. Com a experiência que adquirimos em 22 de anos de atividades, podemos listar algumas premissas básicas que podem nortear as pessoas em um primeiro momento.

Aqui no Doutores…

Aqui no Doutores da Alegria somos palhaços profissionais, com formação nesta linguagem e muitos anos de formação e prática dentro e fora dos hospitais. Mas a grande realidade do Brasil – certamente o país em que a ideia de levar o palhaço para o ambiente hospitalar mais se espalhou – é a de grupos voluntários que visitam hospitais, asilos e orfanatos. São engenheiros, professores, pedagogos, estudantes que dedicam uma parte de seu cotidiano a atividades que beneficiam o próximo. 

Pra tentar orientar e agregar todo mundo, criamos em 2007 o programa Palhaços em Redeque visa, por meio de oficinas de orientação e formação e encontros pontuais – reais e virtuais – compartilhar o conhecimento com grupos e indivíduos que queiram atuar em hospitais. (Guarda esse link pra você ver como funciona – e, quem sabe participar da nossa rede!)

Vamos a algumas premissas básicas!

Relação com o hospital

É importante que o hospital como um todo – o corpo clínico, administrativo e hotelaria – saiba de antemão sobre as visitas, que de comum acordo se estabeleçam as áreas a serem visitadas, quais os dias e horários, e que o hospital designe algum profissional para ser o interlocutor com o grupo.

O interlocutor no hospital

Façam um exercício de responder às perguntas:
Quem dialoga com o grupo? Quem fez o convite? Quem selou o acordo?
Quais os dias, itinerários e os horários acertados com o meu interlocutor?
Como se estabelece esta parceria: direitos e deveres de cada parte? Eventualmente: vaga no estacionamento, espaço para o grupo se reunir e se vestir…

O interlocutor deverá apresentar ao grupo os responsáveis por cada ala a ser visitada. Estes responsáveis (enfermeiros, auxiliares, médicos, psicólogos) precisam passar as recomendações e restrições de cada dia.

Todos os integrantes do grupo têm estas informações (estes nomes)?

O hospital precisa receber uma lista com o nome de todos os integrantes do grupo. Façam uma lista de presença no dia com o itinerário, para evitar confusões caso hajam outros grupos de voluntários.

Sugestão do tutor

Raul Figueiredo, palhaço e tutor do Palhaços em Rede, lembra ainda:

Estabeleçam com o hospital um tempo de experiência, algo entre dois e três meses de trabalho, e depois avaliem a continuidade junto ao hospital. Levantem se há outras intervenções no hospital e organizem a agenda para que não haja sobrecarga num dia. É importante evitar o excesso de atividades para as crianças internadas, pois muitas vezes elas precisam de repouso e o silêncio é a melhor pedida.

 

Seu grupo está nessa fase? Conta aqui pra gente como está sendo todo o processo! Até a próxima!



Categorias


Lá do arquivo

11
Deixe um comentário

avatar
0 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Juliana Valinhos de Carvalho
Visitante
Juliana Valinhos de Carvalho
Visitante

Boa noite! Moro em Atibaia e a 14 anos atrás fazia parte de um grupo voluntário que se chamava “Doutoras da felicidade”, o grupo era formado pelos funcionários do hospital que fazíamos as visitas. Hoje esse grupo não existe mais, por ser um trabalho voluntário infelizmente se perdeu no meu do caminho. Como fiz pós graduação em Educação Lúdica no ISE e o Wellington meu deu aula em um dos módulos, me aguçou a idéia de reativar o grupo novamente, mas desta vez gostaria de apresentar um projeto bem estruturado para este hospital, só que desta vez gostaria tbm que… Leia mais »

Jaquelina Viana
Visitante
Jaquelina Viana
Visitante

Bem começamos com visitas o ano passado e tem sido maravilhoso, hj todos os funcionários do hospital já nos conhecem. Vamos todos os sábados e ficamos cerca de duas horas com as crianças, no natal e no dias das crianças arrecadamos brinquedos e livros de historias biblícas para entregar pra todas as crianças.Tem sido gratificantes, além das brincadeiras contamos historias,cantamos louvores infantis e oramos pelas crianças e seus pais. Hoje conseguimos visitar as alas dos adultos também eles adoram e sempre agradecem por levarmos um pouco de alegria. gostaria de agradecer a esse projeto, pois nos incentivou a começar esse… Leia mais »

Juliana Alencar
Visitante
Juliana Alencar
Visitante

Boa tarde !!!
Meu nome e Juliana Alencar, sou a coordenadora do projeto ADOTE UM SORRISO, este projeto tem o objetivo de visitar crianças em hospitais, casas de apoio a crianças que não tem pais, crianças e adolescentes com câncer , somos um grupo de 10 pessoas, que decidiram da o tempo sem ganhar nada em troca… e foi inspirada em projeto como o de vocês que eu me espelhei, amo e acompanho vocês, que Deus abençoe a cada dia ! beijoss !

Sue ellen
Visitante
Sue ellen
Visitante

Ola gostaria de parabenizar a todos pelo projeto , acho muito linda a iniciativa de voces

Vanessa AGuiar
Visitante
Vanessa AGuiar
Visitante

Somos da área do RESGATE e criamos então o RESGATE ALEGRIA, inicialmente era apenas profissionais como Bombeiros e Socorristas que faziam parte, hoje já são vários profissionais. Ler essas dicas foi maravilhoso, vcs são espelhos para todos que seguem essa linha! Não esqueçam da gente….que precisa de dicas de pessoas tão experiente como vcs. É LINDO DEMAIS! Não deixem de conhecer o Projeto Resgate ALegria – A Alegria que Cura!

Existem 11 Comentários.