Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Espanhol eu não falo, mas portunhol….

10 de dezembro de 2019
Tempo de leitura: 2 minutos

Henrique Rímoli

Comentario 1
Compartilhar 0

Vou contar duas rapidinhas que aconteceram comigo no Itaci, o Instituto de Tratamento do Câncer Infantil, neste mês. Uma prova de que o Portunhol deveria ser a segunda língua oficial do Brasil.

Hablas español?

A Bia mexia no celular quando entramos em seu quarto. Estava estudando espanhol. Resolvemos sair do quarto, entrar de novo e só falar em espanhol.

Dr. Dus’Cuais: Hola, buenos dias!
Bia: Buenos dias!
Dr. Trillo: Boi nos dias!
Dus’Cuais: No, Trillo, no es “boi nos dias”, es “buenos dias”!
Trillo: Yo no consigo hablar buenos dias, solamente boi nos dias.
Dus’Cuais: Entonces diga buenas noches!
Trillo: Mas Dus’Cuais, agora não é noite…

Bia seguia acompanhando tudo. O celular tinha ficado de lado.

Dus’Cuais: Trillo, você tem que falar em espanhol.
Trillo: Mas você também não falou agora!
Dus’Cuais: Não falei porque você não falou. Aí eu falei pra você poder falar, entendeu?
Trillo: No, no.
Dus’Cuais: Entonces diga buenas tardes.
Trillo: Buenos Aires!
Dus’cuais: No, no! Buenos Aires es una ciudad de Argentina. Chega, Trillo, vamos usar a tecnologia a nosso favor. Vamos usar o Google Tradutor. Bia, que língua você quer aprender?
Brenda: Hmm, chinês.
Trillo: Vamos ver como se fala “bom dia” em chinês.

Digitamos “bom dia” no Google Tradutor. A resposta: 早安. “Zǎo ān”. Ficamos ouvindo e tentando falar chinês, até que o Trillo cochichou com a Bia e disse para mim:

Trillo: 我不會說話 (Wǒ bù huì shuōhuà)
Dus’cuais: O quê? Não entendi nada.

Eles riram juntos. Pressionei. Nada. Saí do quarto enquanto Trillo e Bia riam da minha cara. Estou sem entender até agora.

Caracas!

Naquele mesmo dia encontramos uma mãe e um paciente venezuelanos. José, que está no Brasil desde o meio do ano, não fala português, mas entende. Eu disse que também não falo espanhol, mas entendo. E ali começamos a bater o maior papo, no melhor estilo portunhol.

Eu senti que José queria conversar e fiquei pensando na dificuldade de estar em outro país e não falar a língua.

Com os palhaços ele poderia falar – se a gente entendesse estava tudo bem, se não entendesse, estava tudo bem também, a gente dava um jeito de se entender de outras maneiras. Falamos das cidades em que nascemos e moramos. José (que se pronuncia Rossé) nos contou que mora perto de Caracas.

Expliquei pra ele que, aqui, “caracas” é uma expressão de espanto.

Conversamos mais sobre as diferenças e as semelhanças das línguas e, quando estávamos indo embora, eu tropecei na lixeira do quarto. O José mostrou que aprendeu tudo:

José: Caracas!

Rimos juntos. Tá provado ou não tá?



Categorias


Lá do arquivo

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
1 Autores de comentários
Carla Mota Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Carla Mota
Visitante
Carla Mota
Visitante

Amei as histórias. Parabéns equipe Drs da Alegria. Que trabalho magnífico.

Existe 1 Comentário.