Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Quem manda aqui…

29 de novembro de 2017
Tempo de leitura: 1 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 2
Compartilhar 0

A vida toda a gente segue aprendendo, como na canção do eterno Gonzaguinha. Mas nem todo mundo se coloca nesse lugar, mesmo quem esteja ainda na escola, cursinho ou faculdade. Quem ensina e quem aprende?

A vida é um jogo eterno das aprendizagens, os papéis se misturam e se invertem o tempo inteiro. Aprendemos muito com as crianças. E essa abertura é um caminho sem volta, onde não há imposições, e sim a percepção para caminhar junto numa experiência única e efêmera, onde os papéis serão definidos na hora da brincadeira.

IMIP - Lana Pinho-17

É muito raro ouvirmos hoje em dia: “quem manda aqui…”, mas não é invenção, nem ficção. Ainda há médicos que acreditam nesse subterfúgio do conhecimento e se colocam no patamar da inexistência. Eles parecem viver em outro mundo, mas nós não. Muitos pensam que não vemos e não ouvimos por estarmos de palhaço, mas a realidade é que vemos e sentimos mais, como uma lente de aumento, como um ouvido supersônico, como se o mar enchesse e secasse constantemente. 

Era dia e a enfermaria estava cheia esperando a hora da visita do médico. E na cama ao lado, compartilhando uma presença inexistente, pudemos ouvir:

– Por que não está tomando o remédio?
– A enfermeira que tirou!, respondeu a mãe.
– Quem manda aqui sou eu! 

Foi difícil ver e ouvir, difícil esquecer e ter que continuar. A sua afirmação fazia sentido para ele. Respirei e tentei seguir, sabendo que os ponteiros do tempo caminham diferente para cada um. Mas era inacreditável ter presenciado aquela cena e contando parece até coisa inventada, mas não foi: era real como respirar. E se mentisse ao ponto da invenção, era porque mesmo que surreal pareça, isso ainda é uma prática comum de uns tantos poucos médicos. 

IMIP - Lana Pinho-48

A mãe ouviu o que ele disse e comentou em um olhar cúmplice conosco, como se estivéssemos no mesmo barco da indiferença sem poder gritar. Passada a situação e tentando dar conta do acontecido, saímos seguindo com o poder que nos cabe, aprendendo que ser ainda é um caminho longo a ser percorrido, sem recair na armadilha da imposição.

Mas há quem use dos seus artifícios para ser ouvido e respeitado, como a dose certa de achar que é o correto. 

Luciano Pontes, conhecido como Dr. Lui,
escreve do Hospital da Restauração, em Recife.



Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Tags

autoridade, enfermeiro, médico, quem manda, reflexão

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comentar tópicos
1 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
2 Autores de comentários
Doutores da AlegriaAudrey Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Audrey
Visitante
Audrey
Visitante

Como participar dos palhacinhos doutores da alegria?

Existem 2 Comentários.